Municípios goianos recebem capacitação contra escorpiões

Terça-Feira, 11 de Setembro de 2018 às 11:01 - Saúde

Nos últimos 2 anos, foram registrados em Goiás 9453 ataques com animais peçonhentos, com 20 mortes. O índice é considerado alto e envolve aranhas, cobras e escorpiões.

 

Em mais de 9 mil casos as vítimas sofreram sequelas como amputação, déficit funcional (redução de potencial físico, psíquico e intelectual) e necrose externa. Acidentes envolvendo abelhas e lagartas também foram registrados.

 

Para trabalhar na prevenção e no tratamento de pacientes atingidos a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás, por meio do Centro de Informações Toxicológicas (CIT) realizará, no próximo dia 13, quarta-feira, na cidade de Itapuranga, treinamento contra animais peçonhentos para profissionais de vigilância em saúde.

 

Já entre os dias 19 e 21, será a vez da cidade de Vianópolis receber suporte técnico por parte do (CIT). Os cursos abrangerão 42 municípios goianos e 90 profissionais.

 

No dia 20, a programação é voltada para médicos e enfermeiros em assistência ao acidentado por animais peçonhentos. O objetivo dos cursos é promover a estruturação do programa para controle e manejo de escorpiões (manejo ambiental), seguindo critérios de epidemiologia (estudo de eventos relacionados à saúde).

 

O CIT é o órgão coordenador do Serviço de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos no Estado e desenvolve ações de vigilância epidemiológica, capacitação, pesquisa, distribuição de soros antiveneno, plantão 24 horas sobre intoxicações diversas a profissionais de saúde e à população.

 

Segundo o (CIT-GO) as regiões que mais tiveram acidentes com animais peçonhentos foram Norte, Central, Sudoeste e Pirineus. “A incidência desses casos com serpentes, geralmente aumentam nos meses de outubro a abril. Isso devido ao período chuvoso e também, período de lavoura (preparo do solo, plantio até a colheita)”, esclarece Lesley Soares, que é técnica em Saúde do CIT.

 

Os acidentes com escorpiões são muito frequentes. Esse animal é pouco agressivo e possui hábitos noturnos. Geralmente são encontrados em pilhas de madeiras, cercas, sob pedras, cupinzeiros e adaptam-se bem ao ambiente doméstico.

 

A picada de escorpião, na maioria das vezes, causa poucos sintomas podendo apresentar dor imediata, vermelhidão da pele, edema leves e sudorese.

 

Já crianças abaixo de 7 anos apresentam mais risco de alterações sistêmicas nas picadas pelo escorpião amarelo, que podem levar a casos graves e requerem soroterapia específica em tempo adequado.

 

Em caso de acidentes com animais peçonhentos ligue para o Centro de Informação Toxicológica de Goiás (CIT/GO) nos telefones: 0800 646 4350 ou 0800 722 6001

 

Veja como se proteger da picada de cada animal:

 

Cobras:

  • Não andar descalço;
  • Usar luvas de couro nas atividades rurais e de jardinagem;
  • Nunca colocar as mãos em tocas ou buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros, entre espaços situados em montes de lenha ou entre pedras;
  • Quando entrar em matas ou em pomar com muitas árvores, esperar a vista se adaptar aos lugares menos iluminados;
  • Não depositar ou acumular material inútil junto à habitação rural, como lixo, entulhos e materiais de construção;
  • Controlar o número de roedores existentes na área para evitar a aproximação de serpentes venenosas que deles se alimentam;
  • No amanhecer e no entardecer, nos sítios ou nas fazendas, chácaras ou acampamentos, evitar aproximae-se da vegetação muito próxima ao chão, gramados ou até mesmo jardins, pois é nesse momento que as serpentes estão em maior atividade;
  • Proteger os predadores naturais de serpentes como emas, seriemas, gaviões, gambás e cangambás, e manter animais domésticos como galinhas e gansos próximos às habitações que, em geral, afastam as serpentes;
  • Sendo um agravo de caráter eminentemente rural, atividades agrícolas e ecoturismo podem determinar situações de risco para o ofidismo, principalmente nas regiões Norte e Centro-Oeste do país.

 

Escorpião:

  • Não deixar acumular lixo e entulho nos quintais, jardins,terrenos baldios e ao redor das residências;
  • Colocar o lixo em sacos plásticos fechados para evitar baratas e outros insetos;
  • Proteger os predadores naturais dos escorpiões,como calangos,lagartixas, lacraias,corujas, sapos,macacos e galinhas;
  • Remanejar periodicamente materiais de construção que estejam armazenados, usando luvas de raspa de couro para proteger as mãos;
  • Verificar cuidadosamente vestuários, calçados, toalhas e roupas de cama, antes de usá-los;
  • Limpar periodicamente ralos de banheiro, cozinha e caixas de gordura;
  • Manter camas e berços afastados da parede, no mínimo 10 centímetros;
  • Evitar que roupas de cama toquem o chão;
  • Rebocar frestas das paredes e rodapés, para que não apresentem vãos;
  • Manter fechadas as tampas dos ralos de banheiros, tanques e pias.

 

Aranhas:

  • Olhar bem dentro das roupas e calçados antes de usá-los e/ou calçá-los;
  • Colocar telas nas janelas, fechar as frestas e colocar sacos de areia na soleira das portas para evitar a entrada de animais peçonhentos;
  • Manter limpos os arredores da casa, jardins, paióis, celeiros. Não deixar acumular lixo que atraiam baratas, pois elas são alimento para aranhas e escorpiões;
  • Limpar regularmente atrás de quadros, móveis, cantos de parede, etc;
  • Preservar os predadores naturais de aranhas e escorpiões: seriemas, corujas, sapos e galinhas.

 

Dúvidas frequentes:

 

  1. Em caso de acidente com animal peçonhento, onde procurar o soro antiveneno?

 

Os soros antivenenos (contra acidentes com cobras, escorpiões, aranhas e algumas lagartas) estão disponíveis na maioria dos municípios de Goiás. Eles estão estocados nos principais Hospitais por todo Estado. O soro é enviado pelo Ministério da Saúde e distribuído pela Secretaria de Saúde do Estado e sua utilização é gratuita.

 

  1. O que fazer diante de um acidente com serpente?

 

Procure manter a calma, observe o aspecto da cobra, lave o local picado com água e sabão, mantenha o membro afetado elevado, ligue para o C.I.T, procure rapidamente a unidade de saúde mais próxima. Não amarre o dedo, braço ou perna acidentada. O torniquete ou garrote dificulta a circulação do sangue, podendo produzir necrose ou gangrena e não impede que o veneno seja absorvido. Não é recomendado levar a cobra para a unidade de saúde nem colocar qualquer substância sobre a picada. Tente movimentar o mínimo possível o paciente.

 

  1. Todo acidente necessita de uso de soro?

 

Não necessariamente. Picada por escorpiões em adultos, por exemplo, geralmente não requerem soroterapia. Somente o médico após examinar o paciente determinará como será o tratamento. Em alguns casos são feitas apenas medidas para diminuir a dor.

 

  1. O que fazer para controlar a ocorrência de escorpiões?

 

As medidas de controle e manejo populacional de escorpiões baseiam-se na retirada/coleta dos escorpiões e modificação das condições do ambiente a fim de torná-lo desfavorável à ocorrência, permanência e proliferação destes animais.

 

Assessoria de Comunicação da AGM

Fonte: SES GO