Resíduos Sólidos: destinação ainda é desafio para os municípios

Segunda-Feira, 29 de Janeiro de 2018 às 11:32 - Notícia

Segundo levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre), cerca de 80% dos municípios brasileiros possui baixa ou nenhuma condição de tratar os resíduos urbanos de forma correta e individual.

 

De acordo com a entidade, tratar os resíduos públicos de forma correta e individual só é viável financeiramente para municípios com mais de 300 mil habitantes, que compõem hoje apenas 20% do total de cidades brasileiras. E esse é um dos principais problemas, pois nos pequenos e médios municípios os custos ficam por conta, exclusiva, das prefeituras. “Por isso, estados e União devem induzir, via incentivos, a adesão dos municípios em programas regionais de gestão de resíduos”, explica Carlos Fernandes, presidente da Abetre.

 

Um das alternativas na área de limpeza pública, defendida pela Abetre, é a sistematização de contratos de adesão para a regionalização do serviço de tratamento e coleta de resíduos domésticos, com a participação da União e dos Estados.

 

A proposta prevê que os estados e a União assumam parte da competência na gestão de resíduos dos municípios onde não há viabilidade financeira para manter a operação de forma individualizada, sobretudo as cidades de pequeno porte. “Um aterro que recebe até 300 toneladas de resíduos ao dia, torna a operação praticamente inviável do ponto de vista econômico, já que o custo seria proibitivo”, aponta Fernandes.

 

Diversos municípios do País já adotam o modelo de destinação regional de resíduos, como, por exemplo, o Rio Grande do Sul, a Grande São Paulo e a região de Campinas.

 

O presidente da Abetre ressalta que o problema dos lixões é mais uma questão financeira do que exclusivamente ambiental. “Para acabar com os lixões, seriam necessários cerca de R$ 11 bilhões em investimentos em empreendimentos de tratamento e disposição final, além de mais 15 bilhões para manter a operação dentro das normas. Junte a essa conta o fato de que 80% dos municípios brasileiros estão em situação fiscal crítica”, explica Fernandes.

 

“Desta forma, como qualquer serviço público, a gestão de resíduos domésticos deveria ser tarifada, ter receita vinculada e atuação privada e os municípios precisam criar mecanismos que garantam arrecadação para manter os serviços essenciais de coleta e destinação de resíduos. No Estado de São Paulo, por exemplo, aproximadamente 75% dos resíduos domiciliares já vão para aterros privados”, acrescenta.   

 

AGM cobra participação da União

 

Em Goiás o problema da destinação correta dos resíduos sólidos apresenta a mesma gravidade de outros estados brasileiros e afeta, principalmente, os municípios de pequeno porte. Para o presidente da Associação Goiana de Municípios (AGM), Paulo Sérgio de Rezende (Paulinho), “os prefeitos são conscientes da necessidade de adoção de medidas visando à preservação ambiental e o cumprimento da legislação em vigor, mas se sentem limitados pela falta de recursos. Os investimentos são altos e o Governo Federal não disponibiliza recursos suficientes para a execução de projetos”. Em várias regiões do estado municípios estão se associando a outros, criando os chamados Consórcios Municipais de Resíduos Sólidos, Mas além da falta de recursos, existem outras barreiras. O estado possui uma vasta extensão territorial e, em muitos dos casos, as distâncias são enormes entre a sede do município e o local do consócio onde é feita a reciclagem. 

 

Assessoria de Comunicação da AGM

Fonte: Abetre